Skip to content

About

   Serendipity it’s a peculiar state of mind that any human being can experience. It may help you to understand what it is, if you think of Isaac Newton. The story goes that while he was sitting under an apple tree – quite predictably, we would say, as his father was an English wealthy farmer – a falling fruit struck him on the head: from such a simple event the scientist put forward his theory on gravity.

   Some three centuries after Newton’s “Principia Mathematica” I was struck too by an event, though a much less revolutionary one for humankind. Having enjoyed a year-long scholarship in Egypt, I had soon after prepared and submitted for a quick reading to my tutoring Professor at Venezia Ca’ Foscari University, my pre-thesis: “Infitah: the new Egyptian economic policy”. Well, he ran through the paper in utter silence – it was only four pages long – then said: “It’s ok, though you have put a sort of journalistic approach to data analysis. However, go on with your work!”

   The day after I submitted my “Principia Chronicae” to the “Sole24Ore” economic newspaper’s desk and the Chief Editor immediately deemed worth publishing it in its entirety, filling half of the third page: I had discovered that I had a special sense of smell for the news. The next week, after the publication, I was already chasing other news: since then I have never stopped perusing peculiar cues. You can see the English version of one of my best article, appeared on ItaliaOggi, at the following link: “English wine“, while the pdf file of the original article in Italian can be viewed here.

   In the frontpage picture of my website I’m the fourth from left at the New York Newsday’s newsroom. The colleagues behaved graciously: even if I was just a guest, I was invited to contribute in devising what kind of headlines had to be chosen for next day’s edition.

O trabalho do jornalista, a busca e a abordagem da història

   Agora, enquanto isso, posso fazer uma declaração, talvez muito forte e clara, mas verdade: jornalista se nasce. “E modestamente, eu nasci”, digo isso como o famoso comediante Totò que – em um de seus inúmeros filmes, “ Totò, Peppino e… la malafemmina” – distorceu de propósito a gramática italiana.

   Mas, para ser mais sério e compreensível, eu diria que uma pessoa torna-se uma boa, ou un bom jornalista, se tiver curiosidade em seguir a fonte de uma notícia e, ao mesmo tempo, se ela/ele tiver o gosto, eu diria o dever – se escreve para algum jornal – para compartilhar com os outros o que foi exatamente descoberto.

   A busca por essa notícia parte da sensação que todos nos, mais ou menos, temos, no perceber algo de irregular ou de atípico no que vemos, ou ouvimos diariamente. Uma vez que o jornalista começa a procurar-se as fontes, ela o ele se transforma em um cão mastício que, depois de ter mordido a barriga da perna do sujeito, não desiste mais, até encontrar essas fontes completas. A história, é claro, pode ser apresentada de várias maneiras: isso dependerá do que o jornalista considere preeminente que o público deveria saber nesse momento histórico particular.

   Por exemplo, para a minha história sobre o vinho inglês, a descoberta dessa produção britânica desconhecida para todos os Italianos, e não apenas, foi certamente preeminente, mas ao mesmo tempo mencionei o escândalo do metanol na Itália, onde esto álcool metílico foi usado por alguns vinicultores (felizmente poucos em número) para aumentar o teor de álcool e que tinha causado algumas mortes devido à sua toxicidade.

   Em suma, um bom artigo deveria conter sempre, se possível, uma moral: neste caso, os Britânicos, com esse clima ruim, estavam lutando para produzir vinhos aceitáveis  – principalmente brancos – enquanto na Itália, em “O país bonito”, no mesmo período de tempo, havia pessoas a tentarem fraudes contra o consumidor.

   Mas se eu tivesse que dizer o que me inspirou a preferir escrever, como meio de expressão, eu poderia dizer que foi uma cena de caça vista como um menino. Meu tio Turiddu, uma noite, me levou a dormir em uma casa de campo em uma vila siciliana das Montanhas Nebrodi, o mesmo de onde minha mãe era original. Mais do que uma casa, era uma pequena cabana de palha, construída com pedregulhos puxados para fora de sua parcela, de terra ocre leve, onde ele cultivava vários hectares de grau duro. 

   Naquela noite, apesar da cama não macia – depois do jantar rústico com espessas fatias de pão integral caseiro, provola (queijo fresco típico do Sul da Itália), salsicha temperada com erva-doce, perfumados tomates e peras do mesmo lugar, tudo acompanhado por um espaçoso frasco de vinho de rosé dos vinhedos dele, nos dezesseis graus, dos quais desenhamos por sua vez sem parcimônia – eu dormi como uma pedra.

   Na manhã daquele verão, de repente eu me despertei e, com uma luz muito pequena, percebi que a cama do meu tio estava vazia; seu rifle de caça, um Darne de calibre 12, também estava faltando, que ele tinha pendurado em uma estaca de madeira na noite anterior, presa em uma fenda entre os blocos de pedra de uma parede da casa. Eu apertei os meus sapatos, bebi um longo gole de água de uma garrafa de aluminio e sai para o quintal.

   Do lado de fora, ainda podíamos ver as estrelas, uma lua cheia iluminava a paisagem e parecia, de um leve brilho no horizonte, que na madrugada não tivesse demorado muito. Havia um silêncio absoluto, por isso era fácil para mim ouvir o passo pesado e cauteloso das botas de meu imponente tio que seguia, cerca de cinquenta metros de distância de mim, seu cachorro de caça, que parecia ter identificado um traço de jogo.

   O ágil e delgado cão Cirneco do Etna, enquanto ele desceu em ziguezague pelas encostas da propriedade, estava sempre mais agitado, até que ele tinha feito fugir, chicoteando ao mesmo tempo, dois “saittuni”, dois coelhos jovens, de um poço onde eles se agacharam, presumivelmente porque não conseguiam entrar na cova a tempo.

   Por sua vez, Turiddu se parou com as pernas separadas, levantou a espingarda e a apontou nos dois coelhos que naquele momento estavam correndo juntos; então, de repente, os dois animais moveram-se em lados opostos. Meu tio apontou na direita iniciando o primeiro tiro: o coelho foi imediatamente caído com movimentos inconsistentes no terreno em declive, e depois, parou contra uma colisão; em seguida, ele rapidamente moveu seu alvo para o outro coelho e disparou novamente: uma cambalhota mais.

   O silêncio – além da agitação do Cirneco que tinha lançado em busca dos dois espécimes abatidos – voltou a reinar sobre a área; a partir da colina, você não podia ver carros que passavam pela estrada de terra próxima, ou fazendeiros com suas mulas de bloco que se moviam em direção a suas parcelas, ou sons ou luzes do outro país sentado em uma alta rocha da frente. Então, os primeiros raios solares do nascer do sol começaram a iluminar o curto restolho amarelo do chão e o frenético chacorro que pulava para cheirar os dois pendurados coelhos sem vida mantidos por mim pelas orelhas em um nível alto. Naquela noite, minha tia Elvira preparou um excelente ragù com o qual temperou pratos profundos de macarrão caseiro.

   Pela verdade, esse mesmo momento de frugal e harmônica simbiose do homem com a Natureza, poderia ter sido necessário, com hominídeos, com ferramentas diferentes, até quatro milhões de anos atrás na Savana Africana. Essa cena de caça para mim foi a evocação de um momento poético, do devenir da vida, do mito, da pesquisa e da conseqüente manifestação epifânica.

   Quando, em Setembro, eu comecei o último ano da Escola Secundária, aconteceu que a professora de italiano nos deu um tema para jogar em casa, intitulado “Os Atenienses durante o cerco de Tróia: descreva o que acontece no campo”. No dia seguinte eu trouxe a minha composição para a professora, ela a corrigiu antes de mim e a entregou-me com uma nota: “Oito mais, mas copiado” e, apesar de minhas queixas, ela permaneceu firme em seu julgamento. Eu deveria ter considerado issa com um excelente elogio, e, em vez, issa me levou a escolher a tecnologia para o ensino médio, para mas tarde ganhar um mais agradável curso universitário.

   Desde então, em todos os meus textos, procurei, e sempre tento de procurar – e por agora faço isso inconscientemente – para vislumbrar o leitor um momento de síntese e consciência, como aconteceu comigo naqueles breves momentos vividos no incipiente amanhecer.

brunocastrovinci@gmail.com